Refer concorre a 680 milhões para linha de mercadorias de Évora à fronteira

Financiamento fica a depender dos fundos comunitários. Primeira parte da nova linha deverá avançar ainda este ano.

A Refer vai apresentar candidaturas, no valor global de cerca de 680 milhões de euros aos fundos comunitários, para a execução do troço ferroviário entre Évora e o Caia, na fronteira com Espanha. Com esta nova linha, especialmente vocacionada para as mercadorias, ficará concluída a ligação de Sines a Espanha por via férrea e é abandonado, pelo menos conjunturalmente, o anterior projecto de alta velocidade.

“A Refer pretende candidatar ainda este ano ao POVT [Programa Operacional de Valorização do Território] um montante de aproximadamente 30 milhões de euros para a execução do troço Évora-Évora Norte, que deverá, caso seja aprovado, iniciar as expropriações de terreno durante o próximo ano”, revelou ao Diário Económico Rui Loureiro, presidente da gestora da rede ferroviária nacional. Este troço deverá ter uma extensão de cerca de dez quilómetros.

De acordo com Rui Loureiro, “os restantes 650 milhões de euros para a conclusão do troço Évora Norte-Caia estão previstos candidatar ao novo quadro comunitário, não se considerando incluir outras infra-estruturas para além das ferroviárias”. Isto quer dizer que o valor em causa não abrangerá construção de eventuais estações, acessos ou outras infra-estruturas complementares, como a sinalização ou as telecomunicações, cujos valores de investimento e formas de financiamento só serão detalhados posteriormente .

In jornal Económico

Carta do Presidente da Refer

NOVO CICLO, NOVOS DESAFIOS
Tal como os seres vivos, as empresas na sua existência atravessam vários ciclos, numa transição entre o nascimento, o crescimento a renovação e a morte.
Em cada ciclo as empresas enfrentam novas e diferentes situações, aconselhando a correções nas trajetórias, obrigando ao ajustamento de práticas e à compatibilização das organizações com as novas realidades, forçando-as a mudarem as suas estratégias e, também, a procurarem inovação, eficiência e criatividade.
No momento presente impõe-se que pensemos em renovar, ganhar e garantir o espaço que nos permitirá contrariar o esmorecer imposto pelas dificuldades vividas.
Atravessamos dias em que a incerteza é a regra, em que o ambiente tecnológico, económico e social muda de forma repentina obrigando a ajustamentos, ações e remodelações.
A hora é de mudança, de sacrifícios, de contenção, de rigor, mas tal deverá ser encarado como um desafio, um caminho de oportunidades, de valorização pessoal, de competências e da iniciativa individual e coletiva.
A nossa empresa tem forças e vulnerabilidades particulares e terá necessariamente que encontrar respostas diferentes, ajustadas à sua dimensão e realidade singular. Para tal o esforço e empenhos coletivos e de compromisso são o principal valor.
Coloquemos de parte resistências, desmistifiquemos alguns medos e anulemos os receios que a incerteza amplifica, mas que nos permitirão encontrar uma luz no fim do túnel.
É na renovação que está o vencer dos desafios, o contrariar da fraqueza e da debilidade.
Encaremos este novo ciclo como uma força impulsionadora para a nossa renovação.
 Novembro de 2012
Presidente do Conselho de Administração
Rui Loureiro

Transportes públicos sem gratuidade

 

Os transportes rodoviários, fluviais e ferroviários ficam vedados a utilizações gratuitas salvo raras excepções.

Acabou a gratuidade nos transportes públicos. Os funcionários das empresas de transportes e membros de forças policiais continuam a poder utilizá-los sem pagar, mas apenas e só se estiverem no exercício das suas funções. Até agora, as forças policiais podiam também viajar do local de residência para o trabalho sem pagar. No entanto, essa benesse é agora revogada, segundo a versão preliminar do Orçamento do Estado para 2013 a que o Diário Económico teve acesso.

O mesmo documento diz ainda que esta nova regra tem natureza imperativa sobre qualquer norma, regulamentação ou contrato de trabalho actualmente em vigor.

Fonte: http://economico.sapo.pt/noticias/transportes-publicos-sem-gratuidade_153712.html

APLICAÇÃO NA REFER DO CÓDIGO DE TRABALHO

APLICAÇÃO NA REFER A 3ª ALTERAÇÃO AO CÓDIGO DE TRABALHO

Comunicado do CA da CP

Ver o comunicado do CA  da CP,    >Aqui<