Contraproposta das ORTs ao ACT entregue em 28 de Setembro de 2017

Consulte a Contraproposta de ACT das ORTs aqui.

Compromisso perante os trabalhadores da IP
Perante o cenário desigual e cada vez mais discriminatório entre os trabalhadores da Infraestruturas
de Portugal. com uma realidade muito diferente entre os oriundos das estradas e da ferrovia, tomou-se
necessário exigir da empresa a resolução deste impasse.
Numa empresa em que existem diversos regimes laborais com muitas diferenças entre salários e direitos, a fusão da REFER com a Estradas de Portugal de que resultou a IP nunca foi um sucesso e jamais está a servir os interesses dos trabalhadores.

Já vinha a ser uma exigência das ORT’s a abertura da negociação coletiva e o alargamento aos trabalhadores da IP e suas Participadas dum Acordo Coletivo de Trabalho que sirva todos os que trabalham no universo IP, que minimize as diferenças dos direitos e valorize mais os salários.
Perante este cenário, a IP. viu-se na obrigação de fazer uma proposta de revisão do AE para a negociar com as organizações sindicais.

Como é do conhecimento de todos, a proposta avançada pela empresa é um ataque aos direitos e um atestado de incompetência passado em branco a quem não tem culpa nenhuma neste processo de fusão, que são os trabalhadores. Essa proposta foi entregue aos sindicatos com a finalidade de se avançar com reuniões de discussão bilaterais, dividindo-os com o objetivo de reduzir e o poder reivindicativo.

A Comissão de Trabalhadores não podia ficar de braços cruzados e deixar que a empresa levasse avante as suas pretensões prejudicando deliberadamente todo o
processo negocial e por isso tomou a iniciativa de convidar todas as ORT’s envolvidas nas negociações para que, sentados à mesma mesa, pudéssemos desenvolver esforços no sentido de apresentar uma contra-proposta comum de Acordo à empresa, que fosse ao encontro das exigências e aspirações dos trabalhadores.

Passados quase cinco meses de reuniões e encontros conjuntos promovidos pela CT, foi possível um entendimento conjunto para apresentar uma contra-proposta séria,responsável e construtiva que sirva  de base à negociação sindical e que promova a
ação conjunta na defesa deste documento. A CT congratula-se com o trabalho e empenho por todos mostrado.

As organizaçoes sindicais que apresentam esta contra-proposta de Acordo à empresa, assumem perante os trabalhadores o compromisso de:

– Tomar a defesa clara e firme daquilo que é proposto no documento;
– Haver uma lealdade e atitude séria entre todos, continuando a promover a resposta
convergente face àquilo que é negociado ou contraproposto pela empresa;
– Não deixar cair por terra as reivindicações comuns agora apresentadas a
troco duma qualquer negociação parcial que vá contra o que é defendido;
– Participar em futuras reuniões que possam ser organizadas para avaliação do ponto de
situação da negociação e para ponderação das formas de luta a desenvolver até   alcançar as justas reivindicações dos trabalhadores da IP.

Pragal, 28 de Setembro de 2017
As Organizações Sindicais signatárias:

Deixe uma resposta